sexta-feira, 30 de Março de 2007

Gestão da Motivação...


Aí está!

Mais um ano de renovação para o Capitão!

Efectivamente a gestão de RH do SLB está de parabéns. Em vésperas de um jogo de extrema importância (quiça o jogo do título), eis que aparece a noticia de renovação por mais um ano de Simão Sabrosa.

A gestão de motivação é isto mesmo...

Um sinal positivo para a direcção da Luz, antes do clássico.

Força e até 2011...

Colunista COnvidado Residente, por JMMA

O DERBI DOS MEUS SONHOS

Já que, no futebol, tantas vezes se confunde o que é com o que gostaríamos que fosse, faço aqui uma descrição «sóbria» (muito sóbria, como vão ver) do derbi dos meus sonhos. Uma espécie de jogo do «oxalá» sabendo todavia que a verdade jogam-na as estrelas, e eu não lhes quero usurpar a glória. Para mim é assim:

Benfica bate Porto em toda a linha…
Em jogo jogado, em jogo corrido, em jogo fintado, em jogo chutado, em jogo gozado e, evidentemente… em gooooolos marcados.

Vamos por partes, como nos desenhos das vacas pendurados nos talhos.

§ Começa o jogo – Pontapé de saída pelo FCP, intercepção imediata do Benfica com lançamento de primeira para Miccoli. Isolado, frente à baliza, o italiano teve tempo para tudo: afaga a redondinha com a sola da bota como se estivesse a barrá-la com Tulicreme e, naquele jeito baixote de Napoleão do futebol, faz a chicha descrever o «arco do triunfo» anichando-se no sítio certo. Vai buscar. 12 Segundos de jogo: 1-0!

§ Entre os 23 e os 25 – Dois minutos, duas jogadas de glória, mais dois golos magistrais! O guarda-redes não teve nem tempo para pestanejar. Junto à linha, Jesualdo, com as mãos nos bolsos e os olhos no céu, aperta a medalhinha da Imaculada que traz sempre consigo.

§ A 5’ do intervalo – Dois jogadores do FC Porto (não digo quais) são expulsos por terem chorado após fintas jocosas dos adversários.

§ 18’ da segunda parte – Nulo Gomes assina golo fabuloso. Centro cruzado da direita. Na meia-lua da área portista, o avançado do Benfica atira-se à peixe. Mas voou antes do tempo: quando se apercebeu de que a bola chegaria atrasada, em pleno voo, dobrou as pernas para cima e, piscando o olho ao guarda-redes, rematou com os calcanhares. Com pontaria de Guilherme Tell como é seu costume (!), tufa, mesmo ao cantinho!

§ A partir deste lance, não houve mais golos. Reduzido a escombros, o FCP remeteu-se à táctica do morcego. Os 11 jogadores - aliás, agora já só 9 - todos pendurados na barra da baliza em aflição defensiva.

§ 88’ – Invasão de campo. Tanguinha em V à Borat, o único dos haveres que lhe ficou depois da intimação para saldar as dívidas ao Casino, Reinaldo Teles irrompe pelas quatro linhas. Visivelmente transtornado, corre para o árbitro e saca-lhe o «Mon cherry» que lhe tinha oferecido antes do jogo.

Apito final: Benfica 4-Porto 0

À saída, numa atitude exemplar de solidariedade desportiva, os Diabos Vermelhos confortam os mais inconformados da tribo portista, transportando-os ao colo e acomodando-os com cuidados maternais no autocarro dos Super Dragões. Uma vez sentados, confortam-nos ainda com palmadinhas nas costas e, aos que fazem beicinho, oferecem-lhes chupa-chupas com o retrato do Helton a deixar fugir um peru em Stamford Bridge. Outros portistas mais arrelampados são fraternalmente conduzidos a um dos pavilhões do Estádio. Para se descontraírem dos horrores vividos, antes de regressarem à base, é-lhes proporcionada uma sessão de suaves massagens a cargo da malta do hóquei devidamente munida do respectivo instrumental. Para total conforto, é-lhes por fim oferecido o visionamento do filme animado «Por Água Abaixo», última obra-prima da Dreamworks, em que Roddy, um rato equipado de azul e branco… Vão ver que é giro.

Eu, até acordar, estive no Cervejário.

quarta-feira, 28 de Março de 2007

Porquê o Vermelho?

Há uma crónica de um ex-árbitro no JN de hoje muito interessante. José Leirós responde a um leitor que lhe colocou uma questão: Porque é que no Sporting-Nacional o árbitro não deveria ter marcado um penalti (suposta falta do GR sobre o Liedson) e porque é que no jogo Porto-Chelsea o Essien deveria ter sido expulso?

Nestas duas jogadas existe um denominador comum: Os jogadores alvo da análise tocam na bola, não evitando depois o contacto físico. Isto é, tanto o Diego como o Essien tocam na bola, mas depois atingem os seus adversários. José Leirós distingue os dois casos da seguinte forma:

1 - No primeiro caso, o GR ao tocar primeiro na bola fez com que o Penalti fosse mal assinalado.

2 - Se no primeiro lance não é considerada falta, como é que na falta do Essien sobre o Quaresma (o Essien também toca na bola) pode-se pedir um vermelho? Segundo o ex-árbitro, o vermelho deveria ter sido exibido porque à luz da Lei 12 "faltas e comportamento antidesportivo", um jogador deve ser expuldo quando "se torna culpado de um acto de brutalidade" e segundo a decisão 4 do international FA Board, "um tacle que ponha em perigo a integridade física a um adversário deve ser sancionado como brutalidade". Diz ainda que "brutalidade é a má fé e a força desproporcional". Sendo assim, um jogador que, na disputa da bola, entre sobre um adversário pela frente, de lado ou por trás, com força excessiva e pondo em perigo a sua integridade física, comete brutalidade. Logo deve ser expulso.

O FootBicancas também faz serviço público e por isso é que gostamos de informar devidamente os nossos leitores. Gostamos ainda de informar os nossos leitores que provavelmente o Katsouranis deveria ter sido expulso. Ou isto que está em baixo não é brutalidade e força desproporcional? Just Asking...

Errata: No vídeo diz que o tempo de paragem seria de 3 meses. Na verdade já vai em 5!!

terça-feira, 27 de Março de 2007

Portugal: 4 - Bélgica: 0

Já tarde e más horas, mas não posso deixar de escrever umas linhas sobre o último jogo de Portugal. Com sinceridade este jogo, frente aos mal dispostos Belgas, acabou por ser uma boa surpresa para mim, uma vez que não esperava tanto desta selecção sem o Deco. Mesmo quando no final da primeira parte o resultava ainda estava em branco, achava que não havia motivos para alarme, já que a exibição estava a ser boa e que mais minuto menos minuto Portugal havia de marcar. Aliás, numa aposta que fiz cá em casa com a malta que por cá bebia uns canecos, dizia que Portugal ganharia por 3-0. Enganei-me. Foram 4!

Mas como do jogo já se disse tudo, vou falar apenas dos nossos jogadores. Começo por Moutinho. Que jogador! O homem enche o campo todo com a rotação que dá ao meio campo. Quase que nem me lembrei do Deco.

Depois houve o Ronaldo e o Quaresma. Arrisco-me a dizer que, actualmente, Portugal tem os mellhores extremos do mundo. Não há selecção no mundo que tenha uns extremos como nós temos: Ronaldo, Quaresma e Simão. E depois o que dizer do golo de Quaresma? Foi simplesmente um hino ao futebol. Foi absolutamente divinal a forma como tirou o adversário do caminho e depois a forma como marcou o golo, recorrendo à trivela que é já a sua imagem de marca.

Finalmente dizer que só um visionário como o Scolari para não o ter levado ao último mundial!

sexta-feira, 23 de Março de 2007

Entrega do Prémio: Concurso SLS - PSG

O FootBicancas procedeu hoje à entrega do prémio, que resultou do concurso lançado aquando do jogo SLB-PSG. A feliz contemplada chama-se Elisabete Carvalho, tendo acertado no resultado de 3-1. Porém, por questões logísticas, o prémio foi entregue à irmã da vencedora Salete Carvalho que agradeceu o prémio, referindo que é leitora assídua do FootBicancas, considerando este blog um blog de referência entre os desportivos.



quarta-feira, 21 de Março de 2007

Colunista Convidado Residente, por JMMA


Mais Luz

Deve ser da Primavera. De repente parece que o País redescobriu a esperança.

Tirando algumas regiões de céu azul circunscritas a norte do Cabo Mondego, a sul iam longe os dias radiosos do Verão e a confiança nas vitórias prometidas. Dir-se-ia que toda a humidade do Inverno nos caía nos ombros, que todos os ventos adversos, que todos os espectros do desalento se empenhavam em criar à nossa volta uma atmosfera de angústia e que nada havia a fazer.

Como por magia, num instante, um golo heróico, e foi o júbilo. Júbilo verde e rubro, que o mesmo é dizer de quase toda a bandeira. O entusiasmo rubro percebe-se, mas o verde… Deve ser da Primavera.

Sim, porque o Sporting, ganhando, ao fim e ao cabo não ganhou nada. Venceu o pânico de perder, só isso. Se para o sportinguista de mente sã, que eu saiba, não há nada pior do que a vitória do Benfica neste (ou noutro qualquer) campeonato, sujeitar a massa adepta ao supremo azar de ver a equipa superar-se precisamente quando o único beneficiado é o seu arquival – sinceramente, chamem-lhe tragédia grega, chamem-lhe vitória de Pirro, mas… porquê então o empolgamento leão pelos amanhãs radiosos?


Deve ser da Primavera, só pode. Da Primavera que se anuncia por aí, nas criancinhas a plantar árvores, nos sonhadores a dizer poesia, nas aves (de rapina) que, cada vez mais, cobrem os céus com prenúncios de novos voos e novos cantos… Mas também a Primavera se anuncia nas alergias, por intolerância à Luz, que este fim-de-semana atacaram em forma. Sobretudo acima do Cabo Mondego.

Excelente anúncio da Primavera foi o Concerto Promenade, a que se assistiu na segunda-feira à noite nos Jardins da Reboleira, neste caso a cargo da Orquestra Luziana de Lisboa, com um extraordinário solo ‘de lira’ (quer dizer delirante) «par le Petit interprète» Armando Teixeira, o Pitbull (conhecem?).

E, assim, ficou montado o cenário para que o Dia das Mentiras marque a época futebolística. Já é galo!

É facto cientificamente garantido que a Primavera está aí. Já se percebeu, também, que o Porto está desfeito e que provavelmente nem Quaresma conseguirá tornar sólido o que cada dia parece mais gasoso. Compreende-se, pois, que cada vez mais pessoas já andem desvairadas a antecipar a época balnear. Mas é sempre uma incógnita se os meses anteriores ao Verão, neste caso Abril e Maio, vão ser ou não bons para ir à praia.

Vejo, é verdade, os encarnados a jogar com ‘entusiasmo’, palavra que na sua origem significa ter os deuses dentro de si. É bom ter os deuses dentro de si pois só isso já é meio caminho andado para ter os deuses por si.

Há mais Luz.

Querem ver que está aí Primavera…

terça-feira, 20 de Março de 2007

Afinal...a procissão ainda vai no adro...


A frequência dos posts, em nada tem a ver com o momento positivo do SLB. Na verdade, existe um encontro de fases muito interessante: por um lado o SLB ganha em todas as frentes e, eu na vertente pessoal, tenho algum tempo livre...

Feito este preâmbulo, fica o registo de mais uma vitória do Glorioso, num campo de extrema dificuldade (não foi esta equipa que venceu no Dragão?!?)

De hás uns tempos a esta parte, tenho dito que "a procissão ainda vai no adro", que muitos pontos se iriam perder....o que é certo, é que o tempo agora me vem dar razão!!!

Isto não siginifica nada, se o campeonato terminasse hoje, o FCP era campeão Nacional!mas...como não termina, vamos ter de aguardar "com tranquilidade" - vidé Paulo Bento até ao final da maratona.

Caros amigos, não existe necessidade de irritação. As coisas são como são...uma coisa a mim parece-me evidente, parafraseando o meu amigo Luis há umas semanas a esta parte, "se o campeonato começasse agora, o SLB era natural vencedor!!!"

Agora é tempo de Seleccção Nacional!

Boa sorte para os TUGAS!

segunda-feira, 19 de Março de 2007

domingo, 18 de Março de 2007

FCP: 0 - SCP: 1

A foto diz tudo relativamente ao meu estado de espírito. Passadas mais de 24 horas, ainda estou com uma azia que até os dedos me impedem de escrever. É verdade. Fiquei pior do que Belmiro depois da decisão da OPA.

E esta azia nem é tanto pela derrota, mas mais pela exibição e pela falta dela. O Sporting ganhou e ganhou muito bem. O Sporting deu um banho de bola ao Porto como não me lembro. O Paulo ganhou claramente o confronto ao Jesualdo.

Existe uma regra no futebol muito antiga, mas igualmente muito importante: Os jogos ganham-se no meio campo. E foi precisamente neste sector que o Sporting ganhou ao Porto. O meio campo leonino foi incomparavelmente superior ao da equipa da casa. Desde logo porque tinha mais uma unidade, depois porque foi também mais agressivo, técnico e lúcido. A superioridade numérica não justifica tudo porque o Porto está farto de jogar contra equipas em 4-4-2 e nem por isso denota tamanha fragilidade. O meio campo do Porto nunca foi agressivo o suficiente para contrariar a maior pujança do adversário. Outra das gaffes portista teve a ver com a falta de compensação quer de Quaresma quer de Alan, no sector intermédio, que ajudasse a anular a superioridade da equipa forasteira.

Na segunda parte, o Jesualdo tentou emendar o que disse em cima, tirando o Alan e metendo em campo o Postiga, para fazer a posição 10. O Porto por esta altura passava também a um 4-4-2 com Postiga a apoiar o Adriano e o Quaresma. Esta solução continuava a não funcionar porque a manta continuava curta. Isto é, o Porto até conseguiu equilibrar as operações a meio campo, mas depois faltava-lhe profundidade atacante.

A equipa do Porto estava completamente partida. A falta de ligação entre linhas era gritante. Há uma jogada que exemplifica muito bem aquilo que acabo de dizer: O Adriano consegue ganhar algum terreno sobre a direita, mas quando centra não há nenhum jogador do Porto para finalizar. O jogador mais perto está a uns 20 metros de distância!

A vitória justíssima Sportinguista deixa o Porto em maus lençóis, pois terá que jogar na luz apenas com um ponto de vantagem (partindo do principio que o slb ganhará na Amadora) e a jogar da mesma forma que o fez no Sábado perderá com toda a certeza.

sexta-feira, 16 de Março de 2007

Benfica-3 PSG-1 (Lisboa a cidade da luz)


O Benfica está nos quartos-de-final da Taça UEFA, depois da vitória sobre o Paris SG por 3-1.

Num ambiente fantástico, os encarnados entraram a todo o gás, com dois golos de Simão e Petit (que lindo!!!!), mas Pauleta, ainda na primeira parte, empatou a eliminatória... em mais uma desantenção da defesa encarnada (Andersson, Moretto).

A segunda parte foi dificil de gerir. A eliminatória estava empatada, e embora a equipa do Benfica fosse nitidamente superior, estava presa psicologicamente receando um golo dos franceses que poderia vir a deitar tudo a perder.

Os três golos que o Benfica soferu nesta eliminatória, aconteceram por demérito da defesa encarnada, adensando a clara importância, para a estabilidade psicológica do sector mais recuado dos encarnados, do jogador Luisão.

O penalti sobre Leo e concretizado pelo habitual Simão, atribui justiça a esta eliminatória, numa vitória sofrida...mas por culpa própria.

quinta-feira, 15 de Março de 2007

Dia D....contagem descrescente


O Foot Bicancas vai oferecer um telemovel Nokia ao elemento que acertar no resultado final!

regras para atribuição do telemovel:

1.º Benfica tem de ganhar;
2.º a primeira pessoa a registar a sua aposta é quem ganhará o telemovel.
3.º deverá deixar contactos: Nome, morada e email;


Zé, lá estaremos....

até já...

SLBBBBBBBBBBBBBBBB.

PS - a oferta do telemovel é mesmo verdadeira!

quarta-feira, 14 de Março de 2007

Colunista Convidado Residente, por JMMA

O jogador ideal

Após o fracasso na champions e algumas exibições trapalhonas na Liga portuguesa, o fcp definiu o perfil do jogador-modelo para as várias posições de campo.

Guarda-redes – Experiência aviária, nádegas calejadas de se sentar no banco, excelente a bater palmas aos colegas que estão a jogar, dotes de ‘Brise Contínuo’ (especialmente em ambientes fechados de balneário), poder de observação capaz de distinguir, num simples relance, os bigodes de Reinaldo Teles e os do Scolari: Vítor Baía.

Central – Careca como o Paulo Gonzo, com ou sem pircings ou tatuagens, mas sem pelos púbicos nem vestígio de sobrancelhas; esgar homicida; nunca ter falhado nenhum dos filmes Rocky do Sylvester Stallone; conhecimentos de karaté, râguebi ou outras artes voltadas para a castanhada. Lema de vida: «só depende de nós». Simbiose de Pepe e Emanuel.

Médio – Puto, preferencialmente em idade menor, não importa a densidade da massa óssea; experiência como utilizador em clínicas de fisioterapia; trancinhas e bandolete variando entre os estilos rap - hip hop e D’ZRT; fã do candomblé. Atendendo à pouca idade, querendo, pode receber o valor do ordenado em brinquedos da Toys “R” Us ou livrinhos do Noddy. Anderson.

Lateral – Qualquer um, desde que não seja essa a sua posição de raiz, nunca se adapte à função e esteja na origem de 90% dos golos sofridos pela equipa.

Ponta-de-lança – Esguio, nervoso e venta larga para cheirar o golo; experiência em armar ao pingarelho a fim de disfarçar movimento com acção, e acção com resultados. Bom domínio e controle de bola, especialmente virado de costas para a baliza, de maneira a dar tempo a que o estádio complete uma rotação de 180º para poder rematar. Tuning do Postiga (sem o peso do gel por causa do jogo aéreo) com o nariz de Adriano.

Alternativa: Guarda-redes, defesas, médios e avançados – tanto faz, desde que seja brasileiro, argentino, ou ex-jogador do Benfica, neste caso não importa seja coxo ou russo.

Oferece-se: Além de bom ordenado, curso de treinador com estágio pago em Leiria, a fim de continuar a contribuir aos Domingos, com Paciência, para as derrotas do fcp, mesmo depois de ter arrumado as botas.

Para a recepção ao Sporting, foram já tomadas precauções especiais. Assim, como o fcp não pode ter Petr Cech, Lampard, Robben e Drogba, o departamento clínico do Dragão vai fazer plásticas a Helton, Meireles, Adriano e Postiga para pelo menos ter boas imitações para o clássico do próximo sábado. Meireles, de reduzida estatura, está autorizado pelo Instituto do Dopping, a lavar os pés com água-de-colónia ‘Impulse’ para melhorar no jogo aéreo.

Por outro lado, a pedido do fcp, Liga e Federação acabam de reformular o conceito de árbitro assistente válido para os jogos nas Antas, a vigorar já no próximo. Tais elementos terão de obedecer a perfis rigorosos do tipo Angelina Jolie, Kate Moss, ou Naomi, por exemplo, e vigiar as linhas laterais, de costas para a bancada, infimamente equipadas com roupa «Intimissimi».

(Nestas condições, o resultado do jogo só será conhecido após reunião da equipa mista de arbitragem, a realizar no balneário à porta fechada a seguir ao apito final. Portanto, como dizia o outro, prognósticos só depois do flash interview.)

terça-feira, 13 de Março de 2007

Foot Bicancas em Paris...o lançamento para a 2.ª mão

Caros Amigos,

Sei que parece inoportuno a colocação deste post, mas na verdade por motivos profissionais apenas agora me foi possível vos dar conta do que se passou de mais importante na cidade Luz...

Serve também de mote para o lançamento da 2.ª mão em Lisboa, que se espera transporte o Glorioso para a próxima fase.

Como tudo o que se devia dizer sobre o jogo, já foi dito, deixo apenas algumas imagens que traduzem bem o ambiente fantástico que se viveu na passada 5.ª feira em Paris. Apesar do resultado, valeu bem a pena!


Et Voilá....











































Benfica:2 U.Leiria:0


Aí está. O Benfica repôs novamente a desvantagem de 4 pontos face ao líder, num período crucial do campeonato. Com nove jornadas até ao fim, e os três grandes a jogar entre si, qualquer deslize... implica a "morte do artista".

E confesso que estava com receio deste jogo. Primeiro porque sucedia à ressaca europeia de Paris, e depois porque o Leiria é uma equipa matreira.

Um grande golo de Simão (16') abriu o marcador e, depois de algum adormecimento na 2.ª parte, Petit confirmou o triunfo encarnado a 4 minutos dos 90', com mais um tento de belo efeito.

Bem sei que o futebol não vive de "ses", mas aquele 3º golo "primário" do FCP no Dragão já em período de descontos, e os nove pontos perdidos nas primeiras 4 jornadas, ainda me estão atravessados na garganta... A conversa seria outra.
Este fim de semana sou do Sporenguê desde pequenino.

segunda-feira, 12 de Março de 2007

Marítimo: 1 - FCP: 2

Mais uma vitória muito sofrida para a turma portista, mas nem por isso a torna menos justa. Mesmo fazendo uma segunda parte má, o Porto lá conseguiu matar o borrego e lá conseguiu os três pontos importantíssimos, antes dos jogos contra os perseguidores mais directos.

Este jogo foi o exemplo mais que perfeito de uma vitória, recorrendo ao rendimento mínimo garantido. O Porto da Madeira comportou-se como tantos outros Portugueses, que é como quem diz, à espera de um subsídio qualquer que lhe permitiria sobreviver esse dia e pensar no subsídio de amanhã. A fortuna lá apareceu e o Adriano lá fez o favor de ser mais uma vez o abono da família Portista. A partida continuava a ser jogada a um ritmo lento, até que Meireles decidiu apostar num financiamento a longo prazo ou se quiserem, a longa distância, e rematou para as redes do mal parado Marcos.

Se a 1ª parte foi jogada a um ritmo lento, a 2ª foi de grande velocidade. É claro que esta velocidade foi à luz e aos olhos das tartarugas gigantes das Galápagos. Mas mesmo com esta velocidade e mesmo fazendo um jogo menos conseguido, continuaram a ser do Porto as melhores oportunidades para marcar, justificando por inteiro a vitória. O Marítimo ainda havia de reduzir, dando algumas esperanças aos Benfiquistas, desculpem Maritimistas, mas já não havia tempo para mais e os três pontos não fugiriam.

Agora vem aí dois jogos que, em caso de vitória azul, podem decidir o campeonato. Assim, espero que o Porto se deixe dos rendimentos mínimos garantidos e passe à concretização do título.

domingo, 11 de Março de 2007

Sporting: 3 - Estrela da Amadora: 1, por Rui Martins

Antes de mais, deixem-me que vos diga que todas as semanas se deveria comemorar o dia internacional da mulher. Não é que eu ache grande interesse a este tipo de comemoração nem percebo porque é que existe, mas aproveitando o tal dia o Sporting promoveu uma acção de charme e convidou as mulheres a rumarem a Alvalade para ver o jogo com o Estrela. As mulheres não se fizeram de rogadas e pintalgaram as bancadas com os cachecóis cor-de-rosa, eram de facto muitas e muitas delas com muito bom aspecto. O estádio estava muito bem composto.

Quanto ao jogo, tal como contra a Académica o Sporting entrou com a artilharia toda. O Estrela não estendeu o tapete vermelho mas os homens de verde colocaram em água a cabeça dos defensores que vieram da Amadora. O futebol produzido pelo Sporting no início do jogo era agradável, o Romagnoli finalmente agarrou na batuta e por duas vezes fez pontaria aos postes. As oportunidades de golo iam surgindo, mas golos nem vê-los.

Aos 39 minutos, depois de uma boa jogada do Nani pelo lado esquerdo, o Paulo Lopes defendeu com uma sapatada directamente para os pés do Moutinho que com mestria e inteligência conseguiu arranjar espaço para rematar com o pé esquerdo e marcar o golo no seu 100º jogo pelo Sporting.


Respirava-se de alívio, porque as oportunidades já tinham sido muitas e as bancadas muito animadas puxavam pela equipa. Durante a primeira parte o melhor que o Estrela conseguiu foi dois “Diz que é uma espécie de remate” directamente para a Juve Leo. A frente atacante do Estrela não existia e à meia hora de jogo, saiu o Rui Borges para entrar uma chaimite… o Moses. O Sporting criou uma mão cheia de oportunidades, entre elas ficam na retina as 2 bolas nos postes e um falhanço do Bueno com a baliza toda escancarada.

Veio a segunda parte e o Yannick mostrou que afinal sabe fazer golos, e de rajada fez dois golos. Lançado duas vezes pelo lado direito, deixou para trás o defensor do Estrela (seria o Amoreirinha?) e fez dois belos golos. Já o tinha dito por diversas vezes que ele rende mais como ponta de lança do que como nº 10.


Ficou feita a história do jogo, durante a segunda parte o Sporting limitou-se a controlar o jogo e a trocar a bola sem arriscar muito e o Moses divertiu-se a dar fruta a quem lhe aparecia pela frente… uma verdadeira chaimite.

Com o jogo controlado e ganho, o Paulo Bento fez sair o Romagnoli que fez um bom jogo mas não tem pulmão ou pernas para 90 minutos e o Bueno para colocar o Pereirinha e Alecsandro, que pelo que fez hoje tão depressa não volta ao onze… a não ser que na próxima semana jogue uns minutos e dê cabo do Porto. Houve ainda tempo para poupar o Moutinho e garantir a presença dele nas Antas devido aos amarelos e porque já leva muitos minutos de futebol nas pernas e saiu com o estádio todo de pé a aplaudir o miúdo. Está a fazer-se um jogador gigante, por que grande já ele é. Pela empatia que tem com a massa associativa tem lugar cativo na equipa, já leva 100 jogos pelo Sporting, já lidera os colegas dentro do relvado, luta como um verdadeiro leão e só tem 20 anos. Para o lugar do Moutinho entrou o Farnerud que mais uma vez esteve bem no meio campo do Sporting.


Até ao fim do jogo só há a registar o golo do Estrela, numa troca de bola numa zona recuada do campo um mau passe foi interceptado pela chaimite (Moses) que ligou o turbo correu em direcção à baliza e colocou a bola onde quis o Ricardo desamparado nada podia fazer.

Para finalizar queria realçar três pontos.
Não se deu pela orfandade criada com a ausência do Liedson, vamos ver como nos safamos nas Antas.
O árbitro do jogo que teve algumas falhas no aspecto disciplinar, o Moses com a fruta que deu, não viu sequer um amarelo.
E por fim, as chearleaders do Holmes place que animam as bancadas durante o intervalo, e que grande animação que elas dão, são um regalo à vista.


sexta-feira, 9 de Março de 2007

UEFA: PSG-2 Benfica-1


Noutras circunstâncias, perder por 2-1 no Parque dos Príncipes poderia ser encarado como um excelente resultado. Contudo, ontem, esse desfecho ficou claramente aquém daquilo que as águias podiam ter alcançado.

E para este desfecho muito contribuiu a saída de Luisão aos 30m, depois de se ter ressentido da lesão contaraída no seu joelho direito.

A equipa do Benfica, e mais concretamente o seu sector recuado perdeu o norte por completo, e em 5 minutos permitiu que o PSG marcasse dois golos que hoje, em alta competição, já não se usam.

O resultado do jogo de ontem mantém tudo em aberto no que concerne ao desfecho da eliminatória. Embora derrotado, o conjunto encarnado continua com boas possibilidades de seguir em frente, dado que perdendo pela diferença mínima e tendo marcado um golo bastar-lhe-á vencer por 1-0 para se apurar. Por outro lado, jogando no seu estádio, o Benfica terá seguramente apoio suficiente para levar de vencida a equipa parisiense.

quinta-feira, 8 de Março de 2007

Colonista Convidado Residente, por JMMA

Desaconteceu cada uma

Esta semana pode não ter acontecido muita coisa, mas ‘desaconteceu’ cada uma!

Depois de ter feito manchetes e agitado os meios económicos e políticos durante um ano, desaconteceu a OPA da Sonae sobre a PT. Face à não ‘desblindagem’ dos estatutos pelos accionistas da empresa ‘opada’, de repente, ficou tudo em águas de bacalhau. E o que prometia ser um encontro mata-mata decidido por penaltes após prolongamento, afinal acabou por se traduzir numa eliminação por ‘golo dourado’, marcado logo nos primeiros minutos de jogo. Isto é um destino nacional, até as OPA passam ao lado.

Mas o desacontecimento futebolístico da semana foi sem dúvida o de Stamford Bridge, onde o gabarito do Chelsea fez desacontecer a permanência do FC Porto na Champions. O sonho, que chegou a parecer possível, foi ‘Robbado’ aos portistas por um peru descarado, que bateu asas à frente do nariz de Helton e voou a meia altura para dentro da baliza. A p… da bola é assim, às vezes até parece a burra Euribor. «Esta equipa podia e devia ter passado a eliminatória. O FC Porto acabou por não ser feliz», vincou Jesualdo Ferreira. Não diria tanto. Enquanto o FCP (honra lhe seja feita) apostou tudo o que tinha e não tinha, o Chelsea apenas pôs em campo o necessário. Sorte? Já se sabe, quase sempre a sorte protege os melhores. Estou com o Vítor: «foram os ovos que fizeram a diferença». Também acho que o Porto sai da Champions com honra… O que não é pouco.

Ainda a propósito de Stamford Bridge. Manifestamente, desaconteceu inteligência quando os jornalistas, para acirrar as emoções patetoides antes do jogo, fizeram das declarações normais e lógicas dos treinadores uma espécie de rivalidade infantil do género ‘a tua pressão é maior que a minha’. Às tantas até parecia que ter Essien, Ashley Cole, Robben, Ballack, Lampard, Shevchenko, Drogba, etc. era uma desvantagem para o treinador; obriga-o a ganhar, logo, causa-lhe uma grande pressão. Conclusão: ser treinador do Aves é que é bom, pode-se até descer de divisão que não há pressão.

Entretanto, no Domingo, em Leiria, já havia desacontecido também uma porção de coisas extraordinárias. Desaconteceu campeonato dado que, tendo consentido o empate (quinto em seis jogos) muito provavelmente os Leões deixaram de poder intrometer-se directamente na questão do título. Desaconteceu a possibilidade de Liedson alinhar nas Antas, o que mostra (como disse o Luís) que, de facto, «o Liedson às vezes resolve mas ao contrário». Desaconteceu também lucidez na polémica levantada pelo Sporting em torno da punição do jogador, um hábito que se repete quando os resultados desiludem. Face ao que aconteceu ao Quaresma e ao Derlei, o que é que queriam? Aliás, faz-me particular impressão o facto deste presidente só reagir quando se afunda na tabela. Fora isso, e não obstante a bagunça que vai por aí com «apitos dourados» e companhia, Alvalade não vê tais escaramuças como dignas de seus cuidados.

Pior que tudo, porém, foi o que desaconteceu no FCP-Sp. Braga. Mínimos de Educação e Respeito desaconteceram vergonhosamente quando a claque dos super dragões tentou boicotar com hinos insultuosos e as obscenidades do costume, o minuto de silêncio em memória de Bento. Energúmenos destes, azuis, encarnados ou cor de burro quando foge, não fazem falta ao futebol, nem a coisa nenhuma.

Enfim, desaconteceu também – já se sabe – a qualidade do futebol nas vitórias magras do FCP sobre o Braga, e do SLB com o Aves, mas nem isso agora já vem ao caso, nem há espaço para mais. Por aqui me fico.

20ª Jornada - Erros de Arbitragem


FC Porto:1 Sp. Braga:0

46' - Penalti mal assinalado a favor do FCP. Luís Filipe efectivamente toca em Raul Meireles, no entanto, o jogador portista atira-se claramente para o chão e o toque é dado fora da área.
(1 erro grosseiro a favor)


Desp. Aves:0 Benfica:1
35’ - Penalti mal assinalado a favor do Aves. Karagounis não tem intenção de tocar a bola com o braço. Aliás é a bola que bate no braço e não o contrário.
(1 erro grosseiro contra)

União Leiria:0 Sporting:0
22' - Neste lance polémico, o cartão vermelho mostrado a Liedson não deixa dúvidas. Embora não se percebendo o motivo da mostragem do cartão amarelo a Rossato (protestos???), o erro da mostragem desta cartolina não é considerado erro grosseiro.
(jogos sem erros grosseiros)

terça-feira, 6 de Março de 2007

Chelsea: 2 - FCP: 1

Fechou o tasco! Terminou a participação do Porto na Champions. Eu que estava com um feeling, acabei por ter que ver o puto do Mourinho festejar novamente. Mas estou como um adepto que estava em Stamford Bridge com uma cartolina que dizia: "Mourinho campeão europeu? Só se regressar a casa!"


Durante o dia vários estados de espíritos se apoderaram de mim:

- Durante o dia: O tal feeling que o Porto seguia em frente.

- Constituição das equipas: Com o Ricardo Costa, já foste.

- Primeiros 10 minutos: Sim senhor, o Jesualdo tinha razão. O Porto está a controlar o Chelsea.

- 15 minutos: Alegria enorme e os quartos já ali.

- Intervalo: O Porto está seguro e o Chelsea vai ter muitas dificuldades.

- 47 minutos: Porra Helton. O que é isso?

- Dos 55 aos 78 minutos: O Porto está novamente a controlar o jogo. Chelsea ataca, mas sem grande perigo.

- 79 minutos: Puts.

- Até ao minuto 90: O Porto ainda marca.

- 91' até final: Já foste!

Quero com isto dizer que só em dois momentos pensei no "já foste". Quando soube as equipas iniciais e mesmo no final, quando já não havia discernimento para fazer mais. Ou seja, não concordei com a equipa e com a inclusão do Ricardo Costa porque temi que os jogadores interiorizassem uma mensagem (que este alinhamento poderia dar) de ter que jogar apenas no ferrolho. Com o decorrer do jogo, cheguei à conclusão que as coisas até estavam a sair bem.

Falando do jogo, chega-se à conclusão que, afinal, o Porto não foi favas contadas. Chega-se à conclusão que o Porto pode ombrear com qualquer equipa europeia. Mais, chega-se à conclusão que os putos ou os meninos do Porto podem dar muitas alegrias num futuro próximo. Finalmente, chega-se à conclusão que o Porto com o Anderson poderia bater os milionários do Ingleses! Porquê? Porque ao Porto faltaram fundamentalmente dois aspectos:

1- Mais um ou outro jogador capaz de desequilibrar do meio campo para a frente. Anderson, juntamente com Quaresma e Lucho, podiam fazer a diferença, como fizeram no Chelsea o Robben e o Ballack.

2- Talvez o Porto tenha pago a imaturidade dos seus jogadores. Os dois golos nascem de dois erros defensivos tremendos. No primeiro golo, para além do Peru do Helton, a defesa não soube cortar uma jogada que começou (sempre com o mesmo jogador) do lado contrário aquele onde foi marcado o golo. No segundo um jogador do meio campo não acompanhou o médio Alemão.

Esta derrota deixa um amargo de boca enorme porque afinal o Chelsea não é assim tão poderoso. Arrisco mesmo a dizer que a equipa do Mourinho não foi em nada superior ao Porto a não ser nos ovos. Foram os ovos que fizeram a diferença, não a omeleta!

segunda-feira, 5 de Março de 2007

Leiria: 0 - SCP: 0, por Joaquim Claro

O SCP foi ROUBADO!!

Arrisco-me a avançar que este foi um roubo com juros...

Apesar do nulo no marcador foi um jogo muito agradável de seguir, mais por “culpa” da atitude determinada da equipa do SCP do que graças à exibição do Leiria (atenção que é 5º no Campeonato, a dois pontos do Braga...) .

O SCP dominou toda a primeira parte (o Ricardo fez uma defesa (?!?!) num livre batido pelo Rossato) e criou algumas oportunidades de golo. A equipa estruturada como de costume (com o Abel a lateral direito – exibição agradável e o Paredes a trinco – gostei do desempenho apesar da natural falta de ritmo) pressionou a União e dominou por completo. Aos 20’’ o Bandeirinha (sim, o termo, por mais eufemismos que inventem, é este mesmo), num lance entre o Rossato e o Liedson, “descobriu” um cartão vermelho para este último. Se o cartão ao Liedson é por agressão, o amarelo para o Rossato é porquê?!? Por ter sido vítima de agressão?!?! O LFV é que tinha razão – “os Italianos que venham para cá fazer uma formação avançada...”.

Mesmo com dez unidades, o SCP continuou a dominar a partida, muito por culpa das exibições de, Polga (excelente!!), Paredes (é verdade que já não exibe a forma física do tempos do Porto mas continua a conseguir fazer excelente ocupação do espaço defensivo, basta contar o número de remates conseguido pelo Leiria à baliza do SCP, enquanto esteve em campo!), Moutinho (já não tenho adjectivos...) e Bueno (que nesta partida “prescindiu” do seu estilo atabalhoado e foi um “Mouro de Trabalho” na frente de ataque).

Na segunda parte o Paulo Bento mexeu na equipa, trocando Romagnoli (das melhores exibições desde que está no Sporting) pelo Pereirinha, a ideia foi a de tentar pressionar mais pelas alas.
O SCP continuou a dominar e a criar as melhores oportunidades mas os remates ou saiam à figura do Fernando (bom guarda-redes, não é por acaso que o Bruno Vale foi “encostado”), ou por cima da baliza.

Esperei mais da equipa do Leiria. Mas também é verdade que uma equipa só joga aquilo que a outra deixa...

PS – tendo presente outras expulsões e consequentes jogos de castigo aplicados, aguardo com alguma ansiedade para ver qual é a taxa de spread que nos vai ser aplicada...

domingo, 4 de Março de 2007

FCP: 1 - Braga: 0

Vitória sofrida com exibição amorfa. Estes foram os principais factos verificados no jogo de ontem. O Porto não teve uma exibição conseguida, mas ganhou e isso é que é importante na entrada de um ciclo muito difícil para a equipa azul e branca.

O Braga que era, até ontem, a única equipa que não tinha perdido no Dragão, finalmente caiu. Caiu no dia em que o bicho regressou à sua casa, mas também é verdade que caiu bem de pé. Fez um excelente jogo e provou que é de facto a 4ª melhor equipa Portuguesa.

Do outro lado esteve sempre uma equipa que apenas reagia a espaços, nunca conseguindo explanar o seu futebol de uma forma contínua. Não sei se isto se ficou a dever ao pensamento que os jogadores teriam no jogo da próxima Terça-feira ou se isto se deveu apenas porque o Braga estava melhor. Outra das justificações para o jogo menos conseguido do Porto pode dever-se ao golo muito madrugador, apontado logo na fase inicial do jogo por Adriano. Com o golo marcado muito cedo, os jogadores do Porto deixaram de ter que correr atrás do resultado, motivando inconscientemente uma poupança de esforço para o jogo do Chelsea.

A grande novidade para este jogo foi a chamada de Adriano à equipa titular. Será que se repetirá a meio da semana ou será Postiga novamente titular? Pessoalmente gosto do Adriano. É um verdadeiro ponta de lança e um homem de área. Não é obviamente um supra sumo, mas para a nossa realidade é um jogador muito útil.

Bom, não me apraz dizer mais nada de jeito porque não estou com grande inspiração. É verdade que nunca a tenho, mas hoje ela é gritante. Para terminar, dizer que com estes três pontos o Porto mantém a distância para os perseguidores e mantém a pressão psicológica para aqueles que lutam por chegar ao topo. Esta sim, é pressão. Não a do Porto.

Desp. Aves:0 Benfica:1


O Benfica venceu na Vila das Aves o Desportivo local por 1-0, continuando assim a quatro pontos do líder, mantendo a pressão psicológica sobre os azuis e brancos.

Num jogo, onde imperou a luta em detrimento do talento, o Benfica não fez uma boa exibição, mas foi eficaz. Terá sido porventura o pior jogo dos encarnados neste ciclo de 11 jogos sem perder, mas é preferivel não jogar bem e ganhar do que o contrário (vide jogo do Boavista).

Aproxima-se a fase decisiva da época, com os três grandes a jogarem entre eles. Quem sabe as coisas não correm bem para os lados da luz? Até porque, e o Vitor que me desculpe, o FCP não está a jogar tão bem como na 1ª volta. Fiquei com essa sensação em Aveiro (pese o resultado) e voltei a confirmar a minha ideia contra o Braga.
Última nota para Katsoranis. Já o tinha dito aqui, e volto a reafirmar, que foi uma das melhores contratações dos últimos anos.

19ª Jornada - Erros de Arbitragem


Beira Mar:0 FC Porto:5

36' - Penalti por marcar a favor do FCP, por falta de Alcaraz sobre o Postiga.
69' - No segundo golo Portista, Lisandro parte em posição irregular.
(1 erros grosseiro contra / 1 erro grosseiro a favor)


Benfica:3 Paços Ferreira:1
(Jogo sem erros grosseiros)

Sporting:0 Desp. Aves:0
(Jogo sem erros grosseiros)

quinta-feira, 1 de Março de 2007

SCP: 2 - Académica: 1, Por Rui Martins

Missão cumprida

Durante 15 minutos a Académica estendeu a passeira vermelha ao Sporting e este não se fez de rogado, aproveitou para marcar dois bons golos, o Liedson resolveu, e ainda desperdiçou mais duas boas oportunidades pelo Bueno, que voltou a ser muito mexido lá na frente, e por um cabeceamento do Nani.

Com o Moutinho superiormente a comandar o meio campo, o Sporting foi marcando o ritmo do jogo e nunca deixou a Académica por o pé em ramo verde, e deixou os estudantes atrapalhados com a eficácia e velocidade dos primeiros 20 minutos dos primeiro tempo. Após isto o Sporting abrandou o ritmo controlou o jogo e até ao intervalo a Académica foi quase inexistente.

Com o intervalo, a Académica fez duas substituições e esgotou as alterações ainda durante a primeira parte o Litos saiu lesionado. As alterações surtiram efeito e os estudantes apareceram melhor na segunda parte, com o Felipe Teixeira a comandar a tuna, equilibraram o jogo e criaram alguns calafrios à defesa do Sporting. Uma entrada dura do Vítor Vinha sobre o Moutinho valeu-lhe o vermelho directo, e deitou por terra a estratégia da Académica. Roberto Brum, ainda atirou um míssil ao poste direito do Ricardo.

Após os 60 minutos a equipa da Académica a jogar só com 10, ficou partida. O Sporting com mais espaço em campo aproveitava para ensaiar uns contra ataques e esteve perto de marcar, por Liedson que passou pelo Pedro Roma mas no momento certo e à boca da baliza apareceu o Alexandre que negou um golo certo ao levezinho. Com o decorrer do tempo, o Paulo Bento fez entrar o Farnerud, Romagnoli e Pereirinha que estando mais frescos, punham a Académica na linha, e encetavam bons contra-ataques mas não surtiram efeitos práticos... a bola não entrou mais.

A Académica não desistia e bombeava bolas para a frente, o Sporting sentia o jogo ganho e com mais um não fazia grande pressão, deixava o tempo correr. Mesmo ao cair do pano um livre sobre o lado direito do ataque da Académica, a bola colocada na área e Dame marcou de cabeça.

Sem qualquer tipo de discussão, acho eu, a vitória do Sporting é justa. Dou nota positiva ao Sporting que fez um bom jogo e criou várias oportunidades de golo, embora também consentisse algumas ao adversário.

Gostava de destacar o Moutinho, joga sempre em alta rotação, o Liedson que insiste em marcar, o Bueno que corre muito, mais tarde ou mais cedo volta a marcar, e o reforço de Inverno, o Pereirinha, pelo lado do Sporting. Pelo lado da Académica, o Filipe Teixeira apareceu bem na segunda parte.

Quem é o Sr. que se segue?